quinta-feira, 17 de março de 2011

Tristeza


 Foto Henry Cartier Bresson
Morre em mim
possibilidade
luzes de noites
cidade
apaga-se a vida, inteira
nem mercado,
nem feira, nem banca
nem anca, nem frente,
nem boca, nem dente
só fome,
em manhãs prazenteiras
sem prazer
sem amor, sem dor
sem mais nada a dizer
Zero-hora, sem hora
sozinha à cabeceira
segundas, terças, quartas,
de quinta, sem primeiras
noites que não embalaram
olhos que não se iluminaram
apenas iluminura
um haikai filho
que de mim sai
um estribilho feito de ai
sem pranto
espanto
eu lua,
luta, espera
ele vento,
em convento
convicto e santo
eu nua
levanto,
saio pela porta
é  noite,
a rua está morta
o destino:
uma linha torta.

Um comentário:

Susan disse...

A vida tem desses momentos assim de tristeza presas a uma linha torta ,versada num bom poema ...
Me vi totalmente em seus versos ...
Beijos