sexta-feira, 3 de junho de 2011

Divagações filosóficas



Gosto de saber coisas novas
difíceis
deslizar por superfícies
ondulantes de meu cérebro cinzento
gosto de girar pelas
circunvoluções
como se fosse vento
relâmpago acendendo tempestades
de verdades incongruentes
conhecer os artífices do pensar
teorizar revoluções
pelas nesgas de ar
que flutuam na imensidão
dos pensamentos da época
mudar o mundo a cada década
imaginar que a vida é um nó
no infinito
ou quem sabe uma zephiró
que quebrou em um grito
de algum rito
estranho
que somos apenas um erro
extravasamento de algum
experimento supra-humano
uma super colônia de alguma bactéria exigente
em uma placa de Petry com a etiqueta: gente.

2 comentários:

Nilson Barcelli disse...

Já tinha lido vários poemas e agora mais uns quantos.
Estou encantado com a tua poesia.
Gosto mesmo muito.
Um beijo.

ana kosby disse...

Grata Nilton, pela atenção.
Fico muito feliz de saber que o que escrevo toca de alguma forma as pessoas.
Abraço.